sábado, 7 de julho de 2012

Casamento gay

Duas fêmeas da espécie Laysan albatross. Cooperativamente
 constroem o ninho e chocam os ovos quando os
machos escasseiam. (Foto: Eric VanderWerf)
Ainda na esteira do primeiro casamento homoafetivo em nossa cidade, volto ao assunto da homossexualidade já abordado nesta coluna tempos atrás. Naquela oportunidade mencionamos os resultados de um estudo que mostrava que a anatomia e circuitaria do cérebro de indivíduos homossexuais tinham semelhanças com a anatomia e circuitaria do cérebro de indivíduos heterossexuais do sexo oposto, o que de alguma forma indicaria uma predisposição biológica para a homossexualidade.

Mas em relação ao casamento homoafetivo a ciência tem pouco a dizer. O assunto geralmente resvala para discutíveis aspectos éticos e a metodologia científica não tem –por enquanto- mecanismos para pesquisar o que é ético ou não. Basicamente a questão se restringe à discussão dos direitos individuais dentro de um estado laico e democrático, e do direito que algumas pessoas e denominações religiosas se autoconcedem para palpitar sobre como os outros devem viver suas vidas. Na melhor das hipóteses, a ciência pode em alguns casos analisar os argumentos utilizados a favor ou contra determinadas práticas, sempre que estes invadam a área onde ela trabalha. 


Por exemplo, um dos argumentos mais ouvidos nesse debate é que “Atos homossexuais são contrários à lei natural (...). (...) não podem em caso algum ser aprovados.”. Esta premissa procede dos documentos da igreja católica – originados do famoso peccatum contra naturam - e deveria servir de orientação aos que espontaneamente optam por pertencer a essa denominação religiosa. Fora do contexto religioso o conceito “natural” é questionável.

A sodomia provocando a ira de Deus.
(François-Rolland Elluin, Gli abitanti di Sodoma provocano l'ira divina.
Incisione per l'opera libertina Le Pot-Pourri de Loth in Cantiques et pots-pourris; 1789).


Práticas homossexuais foram comuns ao longo da história da humanidade, sendo ainda aceitas em várias culturas. Atividades homossexuais foram observadas em aproximadamente 1.500 espécies animais, e bem descritas em umas 500, incluindo aqui golfinhos e primatas bonobos, macacos com os quais compartilhamos mais de 98% da carga genética. Este fato inclusive foi utilizado como argumento para a justiça norte-americana invalidar em 2003 todas as leis que ainda puniam a sodomia. 
Já se a expressão “não natural” se refere ao fato de não ter finalidade reprodutiva, a enorme maioria das práticas heterossexuais, dentro e fora do casamento, também deveria ser incluída nesta classificação.


Por outra parte, mesmo que aceitássemos o argumento da “não naturalidade”, resultaria arbitrário condenar o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo e aceitar o matrimônio monogâmico. A monogamia é reconhecidamente não natural já que reduz o número de descendentes que cada macho pode ter, a seleção dos machos mais aptos (em condições naturais fêmeas preferem compartilhar um macho melhor dotado geneticamente a ter um macho "inferior" só para elas), e assim a diversidade genética, sendo por isso observada em apenas pouquíssimas espécies. Hoje temos evidências bastante sólidas que indicam que o Homo sapiens foi poligâmico por mais de 99% da sua história evolutiva, e ainda o é em várias culturas. Se a monogamia é atualmente o modelo mais comum não é porque seja natural e sim porque é socialmente conveniente. 
Assim a premissa da “não naturalidade” não apenas carece de respaldo nas evidências como soa bastante arbitrária. 


Filhos criados por casais homossexuais sofrem desajustes psicológicos.” Este argumento é um desses que -intuitivamente- parece ter tudo a ver, mas quando analisamos objetivamente, não tem nada a ver. Já existem vários estudos em diversos países e culturas que indicam de forma bastante clara que pais homossexuais são tão aptos para criar seus filhos quanto pais heterossexuais, e que psicologicamente seus filhos são tão sadios e bem ajustados quanto os filhos de casais heterossexuais. A saúde psicológica da criança se relaciona com os exemplos que recebe. Se estes direcionarem sua formação no caminho da tolerância, o respeito, a generosidade e a empatia, a chance de criar adultos saudáveis será maior, sejam os pais homo ou heterossexuais. 


Enfim, provavelmente toda esta análise científica é um blá-blá-blá desnecessário. Quem somos qualquer um de nós para palpitar sobre como outros devem viver suas vidas? Algumas décadas atrás o divórcio era uma verdadeira afronta à sociedade e à moral de nossas famílias. Hoje casais infelizes tem a chance de recomeçar suas vidas em 24 horas. 

O que sim deveria preocupar, principalmente àqueles que de alguma forma participam dessa pregação anti-qualquer-coisa-gay, é que o Brasil é o país onde mais se mata homossexuais no mundo. 
Gostemos ou não, a enorme maioria das pessoas por estas bandas ainda leva muito a sério o que é dito desde os púlpitos, geralmente desde onde partem os ataques mais contundentes ao casamento homoafetivo. Não podemos esquecer que quando se incentiva o discurso homofóbico se alimenta o que há de mais obscuro em nossa intolerância atávica. Até que ponto essa pregação pode induzir às ações violentas que nos colocam nessa vergonhosa posição mundial, é algo sobre o qual muitos deveriam refletir. Fora e dentro dos templos.


Fontes
-Bailey et al. Same-sex sexual behavior and evolution. Trends in Ecology & Evolution, Volume 24, Issue 8, August 2009, Pages 439–446, 2009
-University of California - Riverside (2009, June 16). Same-sex Behavior Seen In Nearly All Animals, Review Finds. ScienceDaily. Retrieved

Você é favorável à liberação do casamento entre pessoas do mesmo sexo?

4 comentários:

  1. Nunca ouvi falar de um religioso que agrediu gays,se não concordam não incentivam ao ódio.A ciência biológica não explica porque ha atração por pessoas do mesmo sexo eu creio que um dia vai explicar para o espanto de quem é gays ou não.É fato que o homicídio de gays tem mais haver com a vida que estão levando cito prostituição e narco-trafego.O que faz mal são os pregadores de púlpitos ou gays ativistas como Jean wyllys que chamou a pouco tempo evangélicos de ratazana de esgoto ato de ofensa.E em nível de anatomia o anus faz parte do aparelho digestivo e não da genitália ou seja a evolução é simétrica para conexão entre macho e femeá,demais é por escolha de cada hum.

    ResponderExcluir
  2. Os homossexuais tentam provar o que a ciencia nunca conseguirá, MUDAM O COSTUME NATURAL(uso natural) e tentam justificar o que não tem justificativa. DEUS é imutável, ele zela pela sua palavrra, ele não vai aceitar que alguem mude o que não pode ser mudado, um dia querendo ou não vão dar de cara com a verdade, JESUS CRISTO E TOMARA QUE NÃO SEJA TARDE DEMAIS. JESUS DISSE: QUE CADA UM TENHA SUA MULHER OU O SEU ESPOSO, mas não forniquem, prostituam e nem adulterem.

    ResponderExcluir
  3. Os evangélicos dizem que a "Bíblia Sagrada", condena a homossexualidade (Levíticos 18:22) e que por ser pecado ela deve ser combatida. Mas eis que surgem algumas dúvidas do que diz a "Palavra de Deus eterna e imutável.

    Eu gostaria de vender minha filha como escrava, como é permitido em Êxodo 21:7. Na época atual, qual você acha que seria um preço justo por ela? A maioria dos meus amigos homens apara a barba, inclusive o cabelo das têmporas, mesmo que isso seja expressamente proibido em Levíticos 19:27. Como eles devem morrer? Eu tenho um vizinho que insiste em trabalhar aos sábados. Êxodo 35:2 claramente afirma que ele deve ser morto. Eu sou moralmente obrigado a matá-lo mesmo? Eu sei que não é permitido ter contato com uma mulher enquanto ela está em seu período de impureza menstrual (Levíticos 15:19-24). O problema é: como eu digo isso a ela? Eu tenho tentado, mas a maioria das mulheres toma isso como ofensa.

    A Palavra de Deus só é imutável e eterna para os gays ou é para todos os atos proibidos na bíblia?

    É fácil só usar da bíblia o que convém e ignorar o que não convém mas está escrito. Se fossemos viver da palavra ainda viveriamos como os homens das cavernas.

    ResponderExcluir
  4. O que é inaceitável é a violência e a ignorância que encontramos em tamanha maioria em um país sub-desenvolvido como o Brasil em pleno século XXI. Isso sim é um ABSURDO!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget