sábado, 27 de abril de 2013

“USP comprova: reiki cura!!”

Técnica de "imposição de mãos" realizada no estudo (Monezi, R., 2003).
Não sei se todos os leitores desta coluna navegam pelas redes sociais. Quem o faz deve ter recebido –em mais de uma oportunidade- a postagem que dá título a este artigo. 

Ela foi compartilhada milhares de vezes. A imprensa se encarregou de divulgar e hoje está ficando difícil convencer as pessoas que isso está errado. Como já pediram minha opinião sobre o assunto, com muita relutância aproveito este espaço para fazer o que jornalistas preparados para divulgar ciência deveriam ter feito antes.

De cara já podemos responder: não, USP não comprova. E o termo “cura” é para lá de discutível.

A história começou em 2003, quando o pesquisador Ricardo Monezi apresentou uma dissertação de Mestrado na USP. Nesse estudo afirmou que mediante técnicas de imposição de mãos (reiki especificamente) camundongos apresentaram um aumento de resistência imunológica, dobrando sua capacidade de reconhecer e destruir células cancerígenas.

Seria algo realmente impressionante. Conseguir provar cientificamente que (a) existe por aí flutuando um tipo de energia desconhecida pelos cientistas que (b) pode ser “canalizada” através das mãos, (c) direcionada sem contato físico para outro indivíduo e lá chegando (d) ter a capacidade de detectar patologias e curá-las, seria experimento digno de publicação nas principais revistas científicas do mundo. Sim, seria uma descoberta notável.

Depois de esquecido por algum tempo o assunto voltou com força em 2012 quando algumas revistas de divulgação científica e outros meios de comunicação requentaram o tema com manchetes como “Acupuntura e reiki agora têm explicação científica”, “Reiki nas mãos da ciência”, "Física quântica - USP confirma eficácia do passe magnético", entre outras.

Não vou usar este espaço para discutir detalhes do trabalho. Isto já foi feito por outros de forma muito detalhada (ver aqui). Pelo que li, a metodologia e resultados apresentados não justificam as conclusões. Como já disse Carl Sagan, "Alegações extraordinárias exigem prova extraordinária.", e a alegação da “comprovação” científica da imposição de mãos é para lá de extraordinária!!

É de fato grave que a imprensa tenha embarcado na divulgação desse estudo com tanta superficialidade. Pior ainda quando isso é feito por uma revista de divulgação científica como a Galileu, que tem como lema “Questione, entenda, evolua”.

Mas vamos aos esclarecimentos.

Em ciência temos que tomar muito cuidado com o termo “comprovar” já que nunca se prova definitivamente uma teoria científica. Teorias científicas, junto com suas respectivas hipóteses  são refutadas ou corroboradas. Refutar significa que os experimentos que fizemos para validar nossa hipótese mostraram que ela estava errada. Se os experimentos validam nossa hipótese, a teoria é corroborada, mas nunca confirmada. Todos sabemos que amanhã pode surgir um novo experimento que mostre que nossos resultados estavam errados. Felizmente, as "verdades" científicas são sempre aproximadas e provisórias. Assim, quando a mídia afirma que algo está comprovado cientificamente, a coisa já não vem muito bem encaminhada, a menos que este esclarecimento seja feito.

A utilização de frases de impacto como “USP comprova” pertence ao tipo de argumento de autoridade 
que em ciência não deve existir. A Teoria da Evolução é uma teoria muito forte porque em mais de 150 anos foi corroborada por centenas de experimentos e resistiu a todas as tentativas de refutação, e não porque Darwin fosse um gênio ou fosse um pesquisador da USP ou Harvard. Divulgadores científicos (jornalistas ou não) deveriam fugir da tentação de colocar esse tipo de argumento de autoridade para tornar o artigo mais crível. 

É lamentável verificar que o jornalismo científico –salvo exceções- não segue os mesmos critérios de rigor que são exigidos em outras áreas. Toda informação (e fonte) deveria ser cuidadosamente checada. O contraditório deveria ter um espaço garantido. Em ciência, estes elementos da notícia -informação e fonte- estão facilmente disponíveis para checagem. Por que então não se faz isso? Desinformação? Preguiça?

No caso desta notícia nada disso foi feito. Não foi sequer mencionado que a despeito dos quase 90 anos de prática, não há na literatura científica nenhuma evidência que o reiki (ou outra técnica de toque terapêutico, com fundamentação religiosa ou não) funcione melhor que o placebo, e que qualquer efeito -quando existe- se deve à autossugestão do paciente ou do praticante.

Tampouco foi noticiado que o estudo foi sequer publicado em qualquer revista científica, o que significa que o mundo da ciência não teve acesso a essas informações de forma a analisar a metodologia e os resultados. Resultados tão extraordinários como os descritos teriam que ser validados de forma independente por outros laboratórios, e apenas depois de toda essa verificação poderíamos falar de algo parecido com “comprovação”. Mas nada disso existe. Então, não temos uma notícia científica.

Ao que parece, estamos ante a velha tentativa de usar a credibilidade da ciência para validar crenças pessoais.





53 comentários:

  1. Reiki é efeito Placebo? Tendo em vista resultados, como os camundongos então sabem distinguir o que é e eo que não é um placebo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Matianleus. Deixei um link no artigo que explica exatamente isso (http://www.bulevoador.com.br/2012/03/quando-a-supersticao-consegue-se-travestir-de-ciencia-o-reiki/).

      Extraio de lá um trecho, mas vale muito a pena visitar esse site:

      "Monezi, que segundo seu CV Lattes trabalhou com metodologia experimental, de cara já coloca uma afirmação que não é tecnicamente verdadeira: animais estão sujeitos *sim* a efeitos similares ao placebo! Este fenômeno é conhecido já há bastante tempo na pesquisa veterinária e médica, e é muito bem explicado aqui, aqui e aqui. De forma breve, o placebo não precisa ocorrer necessariamente no indivíduo (humano ou não) receptor do tratamento. No caso de pesquisa com animais, por exemplo, estudos que não sejam duplo-cegos (ou seja, onde o animal de teste não sabe se recebeu tratamento ou controle, mas o administrador da intervenção sabe), observação seletiva e tendências pessoais (a famosa e quase inevitável tendência à confirmação) são praticamente garantidos."

      Obrigado pela visita

      Excluir
    2. Este artigo deveria ter como título: "A Negação dos Fatos", e a resposta para a pergunta do Matianelus de "Os Animais Podem Pensar".

      Excluir
    3. dr, MONEZI JÁ FEZ A TESE DE DOUTORADO POR ISSO SE ATUALIZEM!

      Excluir
    4. Oi Espaço de Reiki. Aguardamos então a publicação em revista científica para novos comentários. Assim que for publicado nos avise.

      Excluir
    5. http://www.radiestesia.net/wp-content/uploads/2014/06/Tese-de-Doutorado-Ricardo-Monezi-2013-pr.pdf

      leia a tese de doutorado, aprovado em 07/06/13

      Excluir
    6. http://www.e-farsas.com/a-usp-comprovou-mesmo-a-cura-com-a-energia-das-maos.html

      Excluir
  2. Estudem o Johrei também! Esse tenho certeza que cura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pô, pena que você está errado. Fazer o quê. :(

      Excluir
    2. Roelf, deixando de lado tudo isso, se você tiver a oportunidade de receber reiki uma vez na vida, receba e depois veja o quão errado está.

      A energia das mãos é sentida mesmo a alguns centímetros de distância, e só quem recebe (e quem aplica) pode dizer que a energia existe, a técnica é verdadeira, e tem MUITA coisa que a ciência está longe de comprovar.

      Mal não vai fazer, então procure receber um dia, mas esteja aberto à energia, do contrário poderá não sentir nada, e daí falar que a coisa não existe - poderá não sentir os efeitos, mas o "calor" que sai das mãos é indubitável.

      Excluir
    3. "mas o "calor" que sai das mãos é indubitável"

      Indubitável mesmo. A temperatura da pele deve estar ao redor de 35°C. Se a temperatura ambiente estiver a uns 25°C, indubitavelmente sentiremos essa diferença de 10°C se as mão estiverem suficientemente próximas.

      Excluir
  3. Com certeza o senhor não leu o artigo, se leu não entendeu ou não é da área ou não sabe o que é ciência nem o que é placebo nem o que foi feito na dissertação, não leu a discussão nem as conclusões. Gostaria apenas de lembra-lo que o grupo controle imposição de luvas em comparação com imposição de mãos sem luvas em um grupo de animais de laboratório( ou seja criados para isso) por si só jé elimina o efeito placebo aliás se o senhor já tivesse lido ou feito alguma pesquisa na área saberia que isso é feito assim a décadas no mundo todo. Agora se a desconfiança a respeito dos dados, é só refazer o teste, é assim que funciona a ciência. É evidente que o experimento não resolve tudo o próprio autor fala o que deve ser pesquisado e revisto. Bom, leia o artigo se não entender peça para alguém da área lhe explicar o que foi feito.

    ResponderExcluir
  4. Flávio, de acordo com o Lattes do autor, não existe artigo para ler. Isso já diz bastante sobre a qualidade da pesquisa.
    Sobre o efeito placebo em animais, postei um link no texto principal onde vc terá informações adicionais (aqui (http://www.bulevoador.com.br/2012/03/quando-a-supersticao-consegue-se-travestir-de-ciencia-o-reiki/ )
    Entre nós, "grupo controle imposição de luvas" chega a ser engraçado. Imagina enviar um projeto desses para a FAPESP!!!

    ResponderExcluir
  5. Que fique claro: Não sou contra nenhuma religião nem seus métodos (desde que respeite a vida em suas diversar formas). Acho qualquer terapia complementar válida, e qualquer cura é boa em qualquer cenário, seja ela psicossomática, alopática, placebo, ou o raio q o parta. Mas não confundamos conceitos: Aqui temos um mau uso da ciencia pra comprovar crenças pessoais. UM experimento em animais em UMA dissertação mostra resultados FRAQUISSIMOS, é só conferir os gráficos com desvio padrão: http://www.amebrasil.org.br/html/Disserta__o_de_Mestrado___Oliveira_RMJ.pdf
    Sim, os gráficos mostram aumento na imunidade de animais que tiveram contato indireto com humano. Mas convenhamos: Uma manchete dessas exigiria um estudo de dezenas de experimentos com centenas de animais. Repetição! Base do método científico!
    E outra coisa: como na propria dissertação fala, a produção de neurotransmissores está ligada a diversas alterações fisiológicas, do sistema imune. O faro desses animais é muito mais aguçado que o nosso, e estando em cativeiro, qualquer estímulo diferente é extremamente forte. Ou seja, os animais sentem o cheiro e o calor de uma mão humana e isso é um estímulo. Poderia piorar a saúde deles? Poderia. Melhorou? Que bom. Mas nada significa que haja passagem de "energias" pro animal. Hipóteses alternativas não foram sequer cogitadas, muito menos descartadas. Daí no doutorado o sujeito já passa pra "experimentos" em humanos? Como se tivesse eliminado a hipótese de efeito placebo em humanos? Nãnãnãnã tá tudo errado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da sua abordagem.
      Sou reikiano, já vi acontecer coisas incríveis durante aplicações de Reiki, mas sua colocação foi prudente.

      Acho importante que pessoas que sabem da existência do Reiki e outras terapias queiram levar isso pro campo científico, mas o trabalho tem que ser imparcial.

      Que a energia existe, pra qlqr um que já aplicou ou recebeu reiki, é óbvio que existe, mas eu gostaria de saber do quê se trata. Sou totalmente leigo em física, etc (sou advogado... kkk), mas já li por aí se tratar de eletromagnética... enfim, acredito que dê pra checar a energia que sai das mãos de um reikiano.

      Excluir
  6. Engraçado como em um dos primeiros estudos sobre um tema tão delicado as pessoas já esperam conclusões completas!

    O que o trabalho mostrou são indícios, que precisam ser investigados.

    É muita ignorância querer descartar com poucas dezenas de palavras um trabalho aprovado em uma das melhores universidades do país.

    Comentários do tipo "Nãnãnãnã tá tudo errado!" são quase medievais.

    É mais engraçado ainda que esse tipo de erro sempre se repete na ciência: um resultado inovador surge, a comunidade da época ridiculariza o autor que no futuro tem seu mérito reconhecido...é esse o caso aqui? Não sei. Sei apenas que a postura de negar tudo o que é "altamente inovador" é bem comum.

    ResponderExcluir
  7. Acredito no estudo, os passes, reiki emitem uma energia muito boa ,forte ajuda o doente a levar melhor o momento de estresse, ao aumento da imunidade.
    A união dos remédios passados pelo médico, passes para emissão de energia que perdemos muita diante de uma doença e uma boa alimentação ajuda para um processo de cura.

    ResponderExcluir
  8. A "cura energética" do passe visa apenas equilibrar a energia do indivíduo, portanto o doente não deve abandonar o tratamento e a medicação prescrita pelo médico. Só isso. Viva o reiki!

    ResponderExcluir
  9. " Ignorar a evidência astral no encalço de soluções científicas, é decidir não procurar toda a verdade."
    Kryon

    ResponderExcluir
  10. Absurdo!! Essa noticia NÃO É VERDADE!! Não foi sequer cogitado pela USP trabalho algum sobre o assunto em Humanos, e não há na literatura científica nenhuma evidência que o reiki (ou outra técnica de toque terapêutico, com fundamentação religiosa ou não) funcione melhor que o placebo, e que qualquer efeito. Quando ocorre alguma melhora dos sintomas deve-se à autossugestão do paciente ou do praticante.

    Tampouco foi noticiado que o estudo foi sequer publicado em qualquer revista científica, o que significa que o mundo da ciência não teve acesso a essas informações de forma a analisar a metodologia e os resultados. Resultados tão extraordinários como os descritos teriam que ser validados de forma independente por outros laboratórios, e apenas depois de toda essa verificação poderíamos falar de algo parecido com “comprovação”. Mas nada disso existe. Então, não temos uma notícia científica.

    Ao que parece, estamos ante a velha tentativa de usar a credibilidade da ciência para validar crenças pessoais. Os religiosos deveriam parar de tentar usar a ciencia para validar as suas crendices, é impossivel a ciencia validar MENTIRAS.

    Ademais, Imagine o Stress das pobres cobaias sujeitas a presença de, para eles, "Seres predadores" tão próximos... é obvio que haveria algum efeito no organismo, sob tamanha pressão psicológica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso, um efeito negativo, certo? Não foi o que ocorreu.

      Excluir
    2. Não amigo, os efeitos oriundos de uma situação de stress nem sempre são "negativos" como supõe... Imagine, por exemplo, um indivíduo que possua um trombo prestes a se fixar em um ponto venoso, uma situação de stress aceleraria o ritmo cardíaco e consequentemente o fluxo de sangue, IMPEDINDO A FIXAÇÃO DO TROMBO, e até mesmo sua diluição na corrente sanguinea. Essa é apenas uma amostra de INÚMERAS outras situações em que o stress PODE SIM ser benéfico a saúde. Reavalie seus conceitos. Ah, e lembre-se: MEDICAMENTOS são feitos por DROGAS que são VENENOS, porem utilizados corretamente propiciam um efeito exatamente contrário. Paz e reflexões.

      Excluir
    3. Exatamente! Por isso o nosso mundo é quadrado até hoje! E se chegar na beirinha vc cai! Cuidado!

      Excluir
  11. não é por nada não cara, mas a ciencia como conhecemos, bases, controles, metodologia, são baseadas no que conhecemos que é direcionado pra nossa postura de pensamento, ultimamente as pessoas que adquirem o minimo de conhecimento querem rebater temas religiosos e etc que hje são fatores de manobra de massa sim, só pra constar reiki, passe, e ate muito do espiritismo ou outros aspectos de outras religioes e culturas, não estão no topico religião e são sim uma forma de ciência autentica que não ta mastigada pra qualquer maquininha de revisão de artigo ler a diferença é que não é divulgada, voces são burros a ponto de achar que vão divulgar a base pra liberdade dos humanos como especie? enquanto voces viverem da crença da descrença por pura ignorancia voces continuam sendo bonequinhos de massinha, todo mundo é espertão pra saber que a globo manipula e fecham os olhos pra verdade das energias do universo, isso sim é ser um macaco. se a globo te manipula imagina a maioria dos governos e grandes companhias do mundo, voce acha mesmo que vão admitir que todo mundo é um espirito, que tem contato com aliens a anos, que aqui é só um plano da existencia, que existem chakras, que espiritos são pessoas porem sem corpo físico, o pior é que com o minimo de pesquisa voce encontra respostas descentes pra tudo isso de maneira separada, é só juntar as peças. mas é muito melhor procurar artigos pra rebater todas essas afirmações e pagar de bonitão na internet e de sabe tudo. nessas horas eu só torço pra quando alguem que goste de voces morrer voces passem por alguma experiencia "sobrenatural" que te leve em um caminho que faça sentido.

    ResponderExcluir
  12. A ciência ainda está engatinhando, existem forças ainda que serão conhecidas ao longo do tempo. No ano 1000DC, se alguém falasse de eletricidade, diriam que seria alguma forma de placebo também (se é que existia esse termo nessa época)... enfim, é uma discussão inútil, o melhor é estudar para entender muitas coisas que acontecem ao nosso redor e ainda não temos resposta!

    ResponderExcluir
  13. Meses após a sua postagem, saiu a Tese de Doutorado do Pesquisador

    http://www.reikitradicional.com.br/arquivosPDF/Tese%20de%20Doutorado%20-%20Ricardo%20Monezi%20-%202013%20pr.pdf

    ResponderExcluir
  14. http://www.radiestesia.net/wp-content/uploads/2014/06/Tese-de-Doutorado-Ricardo-Monezi-2013-pr.pdf

    ResponderExcluir
  15. Prezado, o problema da visão ocidental da ciência é que ela olha com tanta desconfiança e desprezo elementos da cultura oriental que isso não se reproduz por aqui com a devida velocidade. Se aprenderes chinês ou japonês verás que existem centenas de estudos sérios, com critérios e metodologia científicos e com resultados reproduzidos amplamente. A verdadeira ignorância é aplicar o rótulo de placebo ao léu sem buscar alternativas que estejam fora do seu mundinho científico ocidental. Mas já que isso dá muito trabalho, você obviamente não o fará.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, claro, não precisa. Chineses e japoneses publicam seus resultados em revistas científicas (em inglês), com processo de peer review, quando o experimento segue a metodologia científica (usada tanto em oriente e ocidente). Se não fosse assim, teríamos que aprender mandarim ( e os demais da família linguística sino-tibetana), japonês, hindi, holandês, árabe..., enfim, os idiomas do mundo inteiro. Não faria sentido.

      Excluir
  16. Roelf,

    E sobre a "comprovação"do Reiki, por aparelhos medidores, conforme link abaixo do vídeo, onde o Palestrante: Johnny De´Carli cita que o governo da Espanha adotou em seus hospitais tal aplicação.

    https://www.youtube.com/watch?v=UcS8_XoHuBU

    Em relação às revistas ditas "científicas", a mesma imprensa que adora utilizar chamadas como "Comprovação Científica", sem de fato ser, nos últimos tempos vem denunciando como é fácil realizar publicações em tal meio, de forma falsa, e que são aceitas pela comunidade científica.

    http://ciencia.estadao.com.br/blogs/herton-escobar/estudo-falso-e-aceito-para-publicacao-em-mais-de-150-revistas/

    Dificilmente será comprovado a energia de cura do Reiki ou de quaisquer outras terapias ditas alternativas. Porém, que algo ocorre, isso podemos ver em poucas aplicações.

    Me tornei reikiano recentemente, e vejo resultados expressivos ocorrendo em pessoas que recebem aplicações periódicas de Reiki, em curto espaço de tempo.

    Venho presenciando pessoas que sofrem de depressão severa, síndrome do pânico, dentre outros sérios distúrbios, largando medicamentos anti-depressivos tarja preta, cujo uso remontam a décadas. E isso acontecendo em curto espaço de tempo, sem efeitos colaterais. Como explicar isso?

    Não sei, mas que ocorre, ocorre, e dificilmente acho que seja mero efeito placebo …

    Esta questão de comprovação científica nos moldes que a comunidade científica julga como correta, é para mim muito questionável, e me lembra momentos históricos em que personagens foram mortos tentando provar o óbvio, como dizer que a Terra era Redonda em tempos de inquisição.

    Acredito que ainda faltam parâmetros científicos críveis para se provar efeitos ou situações que ainda fogem do nosso alcance, como num passado recente, era impossível provar os efeitos da energia solar ou elétrica, e hoje tão comum ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " dificilmente acho que seja mero efeito placebo" . Tudo bem, mas achar ou não achar é algo pessoal. Se faltam parâmetros científicos não digam que reiki é ciência. Assim de simples :) . O lance aqui é dizer que tem comprovação científica quando não tem. A ciência é um selo de qualidade que vende muito.

      Excluir
  17. Aos Amigos Terapeutas Reikianos.
    Solidariamente a vocês resolvi me expressar: Na minha humilde opinião, houve sim uma falha muito grande da Imprensa em dizer que o Reiki foi comprovado Cientificamente, pois o Reiki não precisa disso. Deixo uma pergunta pra todos vocês: A Ciência, A Medicina, a Política e a Religião estão fazendo o que, com o nosso Planeta? Porque será que o Planeta Terra está se transformando em um lugar tão difícil de sobreviver? Existem dentre esses profissionais que citei alguns que são bons, amorosos e conscientes? Sim, existe, porém, em minha opinião são uma “raridade”. Se alguém de vocês estiver satisfeito em ver Médicos baseados na "Ciência", olhando pra seus pacientes como cifras, médicos que não tem coragem de dizer uma palavra amiga e muitas vezes nem de respeito para seus pacientes, médicos fazendo cirurgias desnecessárias só para enriquecer cada vez mais, médicos fazendo Abortos, exterminando vidas, médicos, em nome da Ciência, fazendo consultas de 1 minuto nos postos de "Saúde" do SUS, então tudo bem, condenem o Reiki, e digam sim que ele é charlatanismo, crendice, algo ligado a religiosidade, digam o que quiserem do Reiki . O Reiki pode ser Física Quântica em ação? Pode ser Placebo? Pode ser Crença em uma energia invisível?
    Pra mim não importa como o Reiki é dito e visto por todos e principalmente pela classe médica e científica. (O Reiki é a Energia do Amor). Quando o Terapeuta está com as mãos impostas sobre outro Irmão, tocando-o e a todo o momento da seção de Reiki, com uma bela música de fundo meditativo e de baixa frequência, o Receptor entra em um estado Meditativo de baixa frequência e isto faz um bem enorme pra ele. Tenho absoluta certeza que o Reiki cura sim. Cura a doença da falta de Amor, cura a doença da falta de Fé, só que Amor e Fé não têm nada a ver com comprovações científicas né? Que pena.
    Somente por hoje eu darei graças por todas as minhas bênçãos.
    Somente por hoje não irei me preocupar.
    Somente por hoje não sentirei raiva.
    Somente por hoje farei meu trabalho honestamente.
    Somente por hoje serei gentil com todos os seres vivos.
    Estes são os 5 princípios do Reiki e em todos os cursos de Reiki, ministrados por todos os Professores de Reiki que existem, sim, não é um exagero, todos os Mestres de Reiki ensinam que esta Técnica Terapêutica só terá êxito se for executada com respeito, paciência e Amor, e vocês nunca vão ver um Terapeuta Reikiano extorquindo, roubando, corrompendo. Achei ótima essa “discussão” sobre o Reiki, pois serviu de inspiração pra que eu continue cada vez mais me dedicando à “Energia do Amor”, à “Energia Universal”, à “Energia Reiki”, e adorei como foi definido o Reiki de Sugestão, ou Auto Sugestão, agora vou praticar ainda mais a Sugestão, para que meus Clientes, através da minha sugestão, se tornem pessoas mais amorosas, calmas, compreensivas, felizes, que respeitem o Planeta e o Ecossistema, que respeitem a Natureza e principalmente que respeitem o seu semelhante e faça crescer dentro de si o Amor.
    Muito Obrigado - Aguinaldo - Terapeuta Reikiano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tocou em um ponto interessante, Aguinaldo: o estado meditativo que a terapia Reiki induz no paciente.

      Não sei nada sobre o Reiki, tampouco sobre pesquisas científicas a respeito do mesmo, mas, sobre a prática de meditação e seus efeitos, alguns neurocientistas têm se debruçado já há algum tempo (com direito a publicações reconhecidas na comunidade científica ocidental, como está sendo tão requisitado por aqui comentários afora).

      Estamos vivendo uma época interessante. Ocidentais começam, finalmente, a reconhecer os efeitos e "verdades" das medicinas mais antigas da humanidade, embora não reconheçam a filosofia explicativa por trás dos resultados que proporcionam. Contudo, imagino que o ocidente jamais dará a mão à palmatória. Quando estudos neurocientíficos monitoram adeptos de meditação, por exemplo, e entendem como a prática estimula processos químicos responsáveis pelos resultados característicos tão disseminados pela cultura popular, é comum que a conclusão assumida seja: "viram só? Só dá certo por conta disso, isso e isso. No final das contas esse bando de oriental maluco não falava nada com nada mesmo". A conclusão nunca é "independente das justificativas que cada cultura dê (filosóficas ou científicas), no final das contas aquele bando de oriental maluco estava certo o tempo todo".

      Enfim... Não sou uma entusiasta das religiões e posso dizer que respiro ciência (ciência, com método, sem desonestidade intelectual ou charlatanismo), no entanto, não posso deixar de observar a dificuldade de colegas em dar as mãos à palmatória quando a ciência termina por corroborar a validade de técnicas medicinais milenares diferentes das comumente utilizadas por nós, ocidentais (e nem estou me referindo à publicação de mestrado que deu origem a essa matéria, afinal, a discussão foi aqui acabou indo bastante além).

      Não nos esqueçamos, queridos companheiros céticos, que a ciência surgiu através de práticas religiosas em eras remotas. Por muito tempo a humanidade precisou "dar seus pulos" independente da ciência, intuitivamente, através de tentativa e erro. Alimentar um repúdio pré estabelecido pela sabedoria milenar de povos que mantiveram em seu seio as tradições que sempre deram certo para si através dos tempos, é fomentar a ignorância e preconceito. Independente das justificativas para os resultados obtidos, independente do que a ciência possa vir a descobrir, independente de como povos interpretaram suas descobertas medicinais ao longo da história, pré estabelecer a irrelevância das mesmas apenas porque ainda não foram explicadas cientificamente, soa a mim bastante arrogante.

      Lembrem-se que a ciência, munida de método e corroboração da comunidade científica, já errou e precisou refutar suas afirmações para manter-se legítima. Nada impede que, futuramente, explicações lógicas e obvias sejam dadas pela própria ciência para os efeitos da terapia Reiki, como foi o caso da meditação.

      E só para constar, para que não me leiam através de estereótipos de fala: Não sou religiosa, nem adepta de filosofias/medicina oriental. Eu me considero bastante cética sobre essas questões, inclusive, além de ser ateísta (o que já sugere minhas limitações de aceitação do não comprovado). E, finalizando, trabalho com epistemologia das neurociências há dois anos e meio, o que significa dizer que faz parte do meu trabalho acompanhar de perto as publicações e afirmações da neurociência ano a ano, averiguando suas premissas, metodologia utilizada, conclusões e afins. Logo, minha posição nada tem a ver com inclinações de crença.

      Jéssica.

      Excluir
    2. Oi Jéssica. Sem entrar no mérito, se vc se dedica ao estudo epistemológico, deveria dar uma analisada nesta frase (tua):
      "Lembrem-se que a ciência, munida de método e corroboração da comunidade científica, já errou e precisou refutar suas afirmações para manter-se legítima. "
      Abç

      Excluir
    3. Sr. Rolf Cruz Rizzolo sou Reiliano e nunca precisei do selo de qualidade do reconhecimento da ciência para exercer meu trabalho de terapeuta. Eu não preciso e nunca precisei dela para vender meu trabalho. A mim basta a minha certeza e a melhora dos clientess que atestam a qualidade e a melhora energética ao receberem o Reiki. Portanto fique com sua ciência. Ela não faz falta alguma a nós Reikianos pois não temos nenhuma pretensão de convence-los de coisa alguma até porque vocês já sabem de tudo.

      Excluir
    4. Claudinei, vc tem que falar isso para o autor do estudo, não para mim.
      Obrigado pela visita!

      Excluir
  18. Sou terapeuta reikiana, e a comprovação não precisa ser científica para comprovar a eficácia do reiki... Torando um pouco a visão só holística/espiritual, se não tem como usar desta visão com quem não consegue enxergar com o coração, vamos usar da lógica então...

    Médicos argentinos já estão prescrevendo tratamento complementar com reiki, acho que o Brasil está um pouco atrasado nisso... Portugal já tem hospitais onde possuem profissionais especializados em terapia reiki (reikianos) para auxiliar no tratamento de efeitos colaterais de quimio, radioterapia e dores...

    Outo ponto... a ciência a qual exige tanto de provas concretas (provas as quais precisam ser suficiente para convencer aquele grupo científico que irá normatizar aquilo como verdade) afirma que utilizamos cerca de 5% à 7% (tem alguns que utilizam 3%) da capacidade intelectual do cérebro, os super gênios usam 10%... Onde está a certeza de que os sujeitos que utilizam 7% da capacidade cerebral estão 100% certos porque está contido em uma norma científica (criada por sujeitos com 7% de sua capacidade cerebral intelectual) os pontos que precisam serem comprovados para que algo passe a ser verdade (ou seja convencê-los)?

    Terapias complementares já são utilizadas e muito pelo mundo inteiro... Orientais por exemplo, tem maior preferência a se tratarem com medicina tradicional chinesa do que a medicina tradicional, porque será? Ah, eles apenas são um povo que existe a cerca de 5.000 anos! Que petulância a deles querer saber mais do que povos que possuem um pouco mais de 500 anos de existência! Esta mesma ciência teve uma época que catalogou a homosexualidade como patologia, se deram conta de que não era e retiraram de seus anais... Mas agora catalogaram a TPM como patologia!

    Quero parabenizar os terapeutas, médiuns, voluntários que aqui se manifestaram, percebe-se que o autor assim como a ciência está desatualizado, pois o que vem dos planos espirituais é o que existe de mais moderno, correto e atual... Agora não venha dizer que espiritualidade não pode ser levada em conta porque não existe... Quer comprovação científica? Deveria saber então que médicos alemães comprovaram a vida a pós a morte!!!

    Namastê!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saravá Lara!!! Que salada hein!!! Já ouviu falar de placebo? Qual ciência é a que diz que usamos 10% do cérebro? Qual médico alemão "comprovou" a vida após a morte? O Dr. Fritz?

      Excluir
  19. È desolador ver o quanto a humanidade ainda está atrelada a dogmas, a critérios absolutistas, a tirania de corporações. A ciência pragmática tem uma linha de investigação, somente aquilo que pode ser comprovado em laboratório ou que possa ser repetida a demonstração e com o mesmo resultado, que é por ela reconhecida como verdadeira. Agora, qdo. é tratado de fenômenos que não acontecem qdo. a ciência deseja, qdo. a ciência não tem aparelhos para entender, estudar, compreender o fenômeno, que autoridade ela tem para refutar, pior para criticar e ridicularizar. Se a ciência quer credibilidade então passe credibilidade mas não querendo ser dona da verdade, o esperado é que cada um responda por aquilo que domina, ou então seja honesto, deste tema eu não domino aí sim é o verdadeiro cientista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sutil, na realidade é o autor pró-reiki deste estudo quem quer dizer que o reike faz parte da "ciência pragmática". A ciência vai bem, obrigado, sem o reiki. Por que o reiki quer fazer parte da "ciência pragmática" se tem essa opinião tão negativa dela? É como querer provar a existência de deuses cientificamente. Como não é possível aí vem a ladainha que é por causa da ciência.

      Excluir
  20. É... É bem verdade que aquilo que é científico hoje, poderá ser revisado e até condenado como mentira e base informativa nociva, por fazer incorrer em erro, em um contexto de cinquenta anos no futuro. Na idade média, Judeus eram perseguidos, porque ferviam a água antes de certos tipos de consumo, e, por causa disto, permaneciam saudáveis enquanto muitos ficavam doentes (eram chamados de bruxos). Na mesma idade média, também na Europa, jogava-se lixo e dejetos na rua, pela janela (sabe-se, hodiernamente, que isto seria facilitador de doenças). Enfim, o que se está tentando sugerir aqui é que não se poderá proceder à construção de noções perfeitas em momento algum da existência humana. Tanto a ciência avança para desmentir a si mesma, sem fugir do fato de sermos falíveis. Ciência e tecnologia são maravilhas do engenho e da descoberta humanos. Entretanto precisamos mesmo avançar na filosofia, nos princípios morais, na ética, na política da paz, na atitude virtuosa e, consequentemente, na tolerância. Tenhamos, cada um de nós, nossas convicções, sabendo que pensamos e sentimos, existimos, dentro de paradigmas, estes, dotados de paralisias e diversas liberdades, inclusive as de mover preconceitos adiante, inadvertidamente, ou abraçar uma nova jornada no pensar e no sentir. Não adianta discutir verdades, no esquecimento de que somos irmãos, leitos de uma única fonte, em direção a uma mesma foz, seja qual for a religiosidade de cada um. Mais importante é aprender a se querer bem, independentemente, da relação entre Ciência e Reiki. Frederico Cavalcanti, Natal, RN

    ResponderExcluir
  21. Pra quem está doente tanto faz se foi curado por remédio ou placebo.

    ResponderExcluir
  22. kkkkkk, quanta asneira, mestrado nao prova nada, quero publicação científica, nunca vai acontecer

    ResponderExcluir
  23. A um crente nenhuma prova é necessária e a um cético nenhuma prova é suficiente. Nada vai mudar em relação a isto.
    Existem imensos estudos sobre remissão espontânea pelo mundo fora. Interessante ver que os que queriam provar que a percepção extra sensorial era verdade provavam e os que queriam provar o contrário também provavam. Impossível sair deste modelo.
    O que me faz mal é pensar que existem uns iluminados cientistas (e pseudo cientistas como é aqui o caso) que acham que devem impôr aos outros as suas crenças sem olhar para as falhas do seu próprio modelo.
    Acaso alguém sabe explicar o efeito placebo? Sabe-se que existe mas ninguém sabe que processo utiliza para funcionar. Mas pensam todos que sabem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "A um crente nenhuma prova é necessária e a um cético nenhuma prova é suficiente"
      Bobagem. Temos muitas evidências que a penicilina e um monte de outras coisas funcionam. Já está "provado" como vc diz. É só seguir o método científico (se quiser ser ciência, superstição não precisa, claro).

      Excluir
  24. Roelf Cruz Rizzolo,
    Ele publicou os seguintes artigos com relação ao Reiki:
    http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1876382012008682
    http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1876382012009006
    Gostaria de saber a sua opinião sobre estes artigos.
    Sou da área de física e também fico com certo receio da forma como os jornalistas divulgam determinadas coisas. Ainda não tive tempo de lê-los, pois estou sem tempo no momento.
    Obrigado!
    Fábio K.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fábio, na realidade não são artigos científicos e sim resumos apresentados em congresso (Poster Presentations / European Journal of Integrative Medicine).
      Um deles é apenas uma revisão de literatura (The application of techniques of Reiki, Therapeutic Touch and Healing Touch in cancer: a systematic review) e o outro (The introduction of Reiki technique in the Brazilian Public Health System) simplesmente descreve a tentativa de aplicar o Reiki no sistema de saúde via SUS.
      Como vc vê, nada relacionado como a explicação científica de como o reiki poderia funcionar, nem com estudos clínicos do tipo duplo cego. Ou seja, nada de nada.
      Obrigado

      Excluir
  25. Quantas palavras! Quanta descrença! Escrevendo com tantas citações! Achismo, incredulidade em nome da ciência ! Não adianta jogar pérolas. .
    O tempo vai mostrar a verdade. Enquanto isso vamos trabalhar honestamente. Não vamos sentir raiva. Vamos respeitar todos os seres. Enfim vamos amar a todos da melhor maneira que podemos.

    ResponderExcluir
  26. Queridos e queridas, sejamos mais humildes, o mundo está mudando, as consciências estão despertando aos poucos, sejamos pacientes para a transição completa. O ego sempre reluta em morrer com glória...

    Enquanto isso, peguem o nome do Roelf Cruz Rizzolo e enviem/canalizem as mais altas vibrações de vida, amor e luz para seu ser. Simples assim, a verdadeira luta é vencida na paz, e nunca na guerra.

    "Em tempo algum o ódio fez cessar o ódio. O que faz cessar o ódio é o amor." BUDA

    abraços.

    Paz e Luz

    ResponderExcluir
  27. Quem esta discutindo aqui será que leu o trabalho de doutorado dele ? Se não leu, sugiro que leiam o tópico Discussão do doutorado. Nele, o autor fala sobre o efeito placebo dentre outros efeitos e sugere que mais pesquisas devem ser feitas. O que foi comprovado com a tese é de que o grupo que recebeu o reiki apresentou uma melhora em relação ao grupo do efeito placebo (o grupo do efeito placebo tambem recebeu imposição das mãos porem por pessoas que não tinham conhecimento do reiki). O próprio autor fala no final da tese de que é necessário mais estudos sobre isso, porém que o grupo do reiki apresentou melhora está nos graficos ao longo do trabalho.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget